quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Luxã Nautilho, na Performance "O Homem Orgânico", Modelo Fotográfico Performático, no Ensaio fotográfico na UFPA (Universidade Federal do Pará).

Fotografias da construção da Performance "O Homem Orgânico", Making-of da composição fotográfica para a dita performance, em 31.10.2014.
Direção e fotografia de Maria Smith
e Jonas Santos












Luxã Nautilho, na Performance "O Homem Orgânico", Modelo Fotográfico Performático, no Ensaio fotográfico na UFPA (Universidade Federal do Pará).

 A proposta deste momento é o homem orgânico se levantar do solo onde estava deitado e enterrado com materiais orgânicos da natureza, com a expressão de um olhar morto olhando para o nada, olhar murcho, triste e pequeno, além do rosto sofredor, o sofrimento homem da terra. É o grito do clamor da natureza destruída, poluída, devastada pelo homem, o clamor que brota do âmago da terra, que nasce do pó como uma fênix renascida do barro, assim  anatureza grita e tenta se recompor.
Direção e fotografia de Maria Smith
e Jonas Santos































Luxã Nautilho, na Performance "O Homem Orgânico", Modelo Fotográfico Performático, no Ensaio fotográfico na UFPA (Universidade Federal do Pará).

A proposta deste momento é apresentar a expressão de um olhar morto olhando para o nada, olhar murcho, triste e pequeno, além do rosto sofredor, o sofrimento homem da terra.
Direção e fotografia de Maria Smith
e Jonas Santos